Planos de ação em momentos de crise: como as empresas estão lidando com a Covid-19

O surto do novo coronavírus, causador da Covid-19, fechou comércios e isolou milhares de pessoas em suas casas. Cerca de 20% da população mundial está em quarentena. Nesse cenário, empresas estão criando planos de ação variados para enfrentar a crise repentina

Hoje, vamos falar um pouco mais sobre o que as grandes empresas estão fazendo para proteger os colaboradores, manter a saúde financeira de seus caixas e continuar gerando oportunidades.

Planos de ação: o que as empresas estão fazendo neste momento? 

Empresas que trabalham com tecnologia passaram a implantar o home office já há algumas semanas. A Google, por exemplo, está permitindo que todos os funcionários da América Latina trabalhem de casa. Além disso, o acesso à seus escritórios foi limitado e há restrição de viagens ao exterior. 

Na mesma linha, a LG também fez restrição quanto à viagens e o LinkedIn fechou completamente o seu escritório em São Paulo. Em todas as empresas, a concordância é a mesma: para setores em que o home office é possível, esse é o melhor caminho.

Agora, em situações em que os colaboradores precisam se dirigir ao trabalho, os planos de ação são semelhantes e possuem tópicos como:

1. Reforço na higienização de maçanetas, botões, computadores e áreas compartilhadas que precisem ser usadas

2. Criação de comitês para gestão de crise

3. Substituição de reuniões físicas por calls ou videoconferências

4. Restrição de viagens que não sejam extremamente necessárias

Não podemos dar as mãos, mas podemos dar bons exemplos

Em uma crise humanitária como a que estamos vivendo, as empresas precisam pensar seus planos de ação com consciência e, acima de tudo, empatia.

Não é hora de fazer hardselling e todas as ações necessitam de cuidado. Afinal, estamos mais conectados do que nunca e a opinião pública está a todo vapor escolhendo mocinhos e vilões. 

Não é por acaso que gigantes estão se unindo em prol da sociedade. Afinal, mesmo que o momento não seja de lucros, é possível trabalhar com branding e construir um posicionamento que procure, antes de mais nada, o bem-estar da população

Abaixo, confira alguns exemplos de ações dos grandes players:

O Facebook, Google, Microsoft e Twitter se uniram para inibir o compartilhamento de notícias falsas sobre a Covid-19.

A Ambev vai doar 500 mil unidades de álcool gel para hospitais públicos de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

O Burger King destinará parte de sua receita para o SUS. Como a empresa é de capital aberto, o valor não foi divulgado ainda.

O Facebook criou um fundo de US$ 100 bilhões para ajudar pequenos negócios em todo mundo.

A Amazon contratou mais de 100 mil funcionários, aumentou o salário de sua equipe atual e liberou livros digitais gratuitamente.

O iFood criou um fundo de R$ 50 milhões para restaurantes parceiros. 

Globoplay, Telecine e outros streamings estão oferecendo serviços gratuitos durante a quarentena.

Apoio aos pequenos e médios empreendedores 

Além da preocupação com o bem-estar da população geral, outras empresas também têm criado planos de ação que contam com soluções para pequenos e médios negócios. Neste caso, podemos citar a Magazine Luiza.

A rede foi a primeira a isolar os funcionários e fechar as portas das lojas físicas aos primeiros sinais da Covid-19. Recentemente, ainda doou R$10 milhões para a compra de equipamentos e tratamento de pessoas infectadas pelo vírus.

A varejista também antecipou o lançamento do Parceiro Magalu, uma plataforma de  vendas para que pequenos e médios empresários, que estão com seus estabelecimentos fechados, possam vender seus produtos online. 

Assim, eles terão um outro canal de vendas pagando apenas uma taxa de 3.99% por cada venda concretizada, que poderá ser paga até o final de julho. Em poucos dias, mais de 10.000 varejistas e 100.000 pessoas físicas passaram a fazer parte do ecossistema Magalu.

Artistas e a Covid-19

Outro segmento que tem se destacado pela mobilização em prol ao combate à Covid-19 é o artístico. Músicos de todo o mundo têm feito lives para arrecadar itens de higiene, fundos para o tratamento do novo coronavírus e compra de insumos.

A cantora Lady Gaga, em parceria com a OMS e a Instituição Global Citizen, organizou o evento “One World: Together at Home”. O festival contou com apresentações de artistas do mundo todo como Paul McCartney e Stevie Wonder, além da presença de profissionais da saúde e de pessoas que tiveram contato com o vírus para contar seus relatos.

O movimento tem como objetivo arrecadar fundos para o tratamento e combate ao  novo coronavírus e promover a conscientização de que é preciso ficar em casa nesse momento.

No Brasil, a cervejaria Brahma tem sido a empresa destaque na promoção dessas lives, principalmente de cantores brasileiro, chegando a arrecadar 172 toneladas de alimentos em uma única apresentação online.

Os planos de ação da Layer e de empresas parceiras

Se você segue as redes sociais da Layer UP, sabe que todos os nossos colaboradores estão fazendo home office desde 17 de março. Foi a decisão que tomamos em conjunto, por meio da formação de um comitê de crise, para garantir a saúde e segurança dos funcionários. 

E muitos outros parceiros nossos também tomaram decisões parecidas. A multinacional MC-Bauchemie, por exemplo, tem grande parte dos colaboradores trabalhando remoto – e os que precisam ir ao escritório possuem álcool gel e recomendações constantes sobre a higienização pessoal

Além disso, a empresa também adotou a indicação de 2 metros de espaçamento nas mesas das áreas administrativas e do refeitório. Viagens nacionais e internacionais foram canceladas e diversos eventos, como seminários e treinamentos, passaram a acontecer de maneira 100% online

E quais são os planos de ação da sua empresa?

Como a sua empresa está lidando com a crise causada pela Covid-19? 

Se precisar de ajuda, a equipe de especialistas está disponível para pensar em plano de ação com você.

Deixe um comentário