Como entender a geração C pode mudar sua estratégia de marketing digital

Lembra dos famosos baby boomers e das gerações X, Y ou Z? Geralmente, elas são divididas pelo período em que as pessoas que fazem parte dela nasceram. Mas esse conceito hoje em dia não é mais suficiente para definir um grupo e a geração C prova isso!

Ela é uma nova categoria de consumidores, que o Google explica que não é dividida por uma uma faixa etária, mas sim por uma atitude e mentalidade.

Segundo empresa, a maior parte da geração C (80%) ainda é constituída de pessoas da geração Y (pessoas entre nove e 39 anos). Mas, cada vez mais, os hábitos comportamentais têm feito esse número mudar, abrindo espaço para pessoas de todas as faixas etárias.

Então se você está frequentemente conectado por meio do seu smartphone, atualiza com grande frequência suas redes sociais, é influenciado pelo que lê ou assiste na internet, parabéns! Você faz parte dessa geração que nós vamos entender mais agora!

 

Os quatro C’s

Como provocamos ali no começo, a geração C não é definida por um espaço determinado de tempo, mas sim pelos interesses e características em comum que esse grupo apresenta. 

Pra você entender melhor, vamos detalhar! Não se trata de colocar em uma mesma caixinha pessoas que nasceram na mesma década e padronizar os seus comportamentos. Como falamos acima, por mais que a geração C seja formada por muitas pessoas da geração Y, nada impede que os baby boomers, por exemplo, também façam parte dela.

Estar conectado e interagir na internet não é mais um traço exclusivo da geração Y, mas sim uma necessidade de cada vez mais pessoas, independente da idade.

Então, o que define esse agrupamento são quatro características comuns entre as pessoas:

  • Criação: a geração atual sente a necessidade de extravasar a sua criatividade por causa da mudança no modelo de comunicação, em que o receptor agora também pode emitir uma mensagem – ou seja, agora o conteúdo pode vir do próprio público
  • Comunidade: não seguem apenas um líder e se agrupam por meio de conexões em redes sociais e gostos em comum, tendo um comportamento similar a um enxame ou cardume, indo de encontro a uma determinada direção
  • Compartilhamento: naturalmente, quando um usuário gosta do vídeo, ele tem meios de disseminar o conteúdo entre os amigos ou ainda compartilhar em suas redes
  • Conexão: para a geração C existir, é necessário conexão à internet, um dispositivo móvel e o forte uso das redes sociais

 

Geração YouTube?

Esse é outro nome utilizado por especialistas do Google. O motivo é: o YouTube impulsionou todas essas características nas pessoas que fazem uso da plataforma, transformando todas elas em representantes da geração C.

 

Vamos ver na prática:

  • Criação: o YouTube dá todas as ferramentas para que um usuário comum use a ferramenta para criar o conteúdo que deseja ver ou fazer – prova disso é a ascensão dos youtubers e os conteúdos virais
  • Comunidade: o espaço é feito por todos os tipos de pessoas que têm o mesmo potencial de influenciar outros usuários do ambiente 
  • Compartilhamento: a ferramenta oferece funcionalidades para curtir o conteúdo, comentar, disseminar para amigos ou compartilhar em outras redes
  • Conexão: obviamente, o YouTube só pode ser acessado uma vez que o usuário esteja conectado na internet, então esse quesito também faz sentido

 

A geração C em números

Além de estudar e definir o que é a geração C ou geração YouTube, o Google definiu com números o comportamento desse grupo:

  • Nove entre 10 pessoas da Geração C criam e publicam seu próprio conteúdo ao menos uma vez por mês e não ficam apenas no consumo 
  • A geração é três vezes mais propensa a adquirir produtos ou serviços do que os demais grupos, por causa da influência em que estão submetidos na internet
  • Ela também é duas vezes mais propensa a se tornar early adopters e influenciadora nas decisões de compra de outras pessoas
  • 85% deles perguntam a opinião de colegas no momento de compra
  • 39% das pessoas do grupo não se opõem a anúncios que sejam relevantes

 

Geração C

Como engajar a geração C?

Uma velha fórmula ainda funciona com essa geração, que está cada vez mais exigente e com meios para expressar a sua opinião: um conteúdo relevante e de qualidade.

No entanto, esse conteúdo precisa de um quê a mais: além de ser relevante e útil, para o dia a dia do público, ele funciona melhor quando é divertido e tem uma linguagem mais leve.

Vale lembrar que a geração C é mais seletiva, conseguindo diferenciar campanhas de conteúdos mais informativos. Então, aquelas com vieses mais comerciais tendem a não engajar a geração C da mesma forma que poderia um material com dados que agreguem à vida de quem a integra.

O conteúdo também deve ser objetivo. A geração C é composta em grande parte pela geração Y, que está acostumada a consumir materiais em pequenas partes, quase sempre de forma fragmentada.

Outro ponto que as marcas devem se atentar para atingir esse público é em se manter presente na vida dessas pessoas de forma regular. A geração C precisa de estímulos contínuos para seguir engajada. Ou seja, postagens frequentes e peças que se comuniquem entre si, para gerar a memória de marca e a própria participação.

Mais um ponto crucial para se comunicar da maneira ideal é dar ferramentas para que o público participe, interaja, compartilhe ou até mesmo produza conteúdo em conjunto com você.

Os dados reforçam isso. Segundo o Google, a geração C alimenta a cultura com fotos, vídeos, memes, mash-ups e 67% dela faz upload de suas próprias fotos em redes sociais.

 

E as suas ações digitais?

Trazendo isso para o contexto do marketing digital, além de mudar a forma como o conteúdo é construído, é necessário pensar em novas estratégias de mídia. 

Vamos exemplificar: imagine que você seja uma marca de coleiras personalizadas para cachorros, que pretende fazer uma campanha nas redes sociais. Um raciocínio seria segmentar por idade, levando em consideração que os jovens tendem a tratar os seus pets como filhos, sempre dando presentes especiais.

A geração C mostra que na verdade essa divisão pode excluir pessoas das outras idades com o mesmo potencial de compra e os mesmos interesses e hábitos de consumo. Faz sentido, não é?

Levar em conta essa geração na hora de criar ações na internet é crucial para conseguir resultados! O Google diz que a geração C define as redes sociais,  já que 88% têm um perfil social e 65% deste número atualizam o perfil diariamente, interagindo com conteúdo.

Entendeu por que é muito importante ficar de olho no comportamento da geração C para definir suas estratégias de marketing digital? Conte com a Layer Up para entender mais sobre o assunto!

 

RD SUMMIT 2019 - Layer Up Digital


Deixe um comentário